Embora existam numerosos locais pré-históricos na Europa e na Ásia que contêm ferramentas e outros artefatos feitos pelo homem, os restos esqueletais de seres humanos antigos são escassos.

Pesquisadores do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig, na Alemanha, buscaram novas formas de estudar o antigo DNA humano. A partir de amostras de sedimentos coletadas em sete sítios arqueológicos, os pesquisadores “pescaram” minúsculos fragmentos de DNA que antes pertenciam a uma variedade de mamíferos, incluindo nossos parentes humanos extintos.

Eles recuperaram DNA de Neandertais em sedimentos de quatro sítios arqueológicos, em camadas onde nenhum resíduo esquelético de hominídio foi descoberto. Além disso, eles encontraram DNA do Hominídio de Denisova em sedimentos da Caverna Denisova, na Rússia.

Olhando para a composição genética de nossos parentes extintos, os neandertais e seus primos da Ásia, os Denisovanos, os pesquisadores podem lançar luz sobre a nossa própria história evolutiva. No entanto, fósseis de seres humanos antigos são raros, e nem sempre estão disponíveis ou são adequados para análises genéticas.

“Sabemos que vários componentes de sedimentos podem conter DNA”, diz Matthias Meyer, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva. “Nós decidimos então investigar se o DNA dos hominídios pode sobreviver nos sedimentos em locais arqueológicos que foram ocupados por hominídios antigos.”

Para realizar esse estudo, Meyer e a sua equipe contaram com a colaboração de uma vasta rede de pesquisadores que escavavam em sete sítios arqueológicos na Bélgica, Croácia, França, Rússia e Espanha. No geral, eles coletaram amostras de sedimentos cobrindo um período de tempo de 14.000 a mais de 550.000 anos atrás. Usando pequenas quantidades de material, os pesquisadores recuperaram e analisaram fragmentos de DNA mitocondrial – material genético das mitocôndrias, as “fábricas de energia” da célula – e identificaram-nas como pertencentes a doze famílias diferentes de mamíferos que incluem espécies extintas como o mamute lanoso, o rinoceronte lanoso, o urso das cavernas e a hiena das cavernas.

“A partir dos resultados preliminares, suspeitamos que na maioria de nossas amostras, o DNA de outros mamíferos era muito abundante para detectar pequenos vestígios de DNA humano”, diz Viviane Slon, Estudante Ph.D. no Instituto Max Planck em Leipzig e primeiro autor do estudo. “Então trocamos de estratégia e começamos a segmentar especificamente fragmentos de DNA de origem humana”. Nove amostras de quatro sítios arqueológicos continham DNA hominídio suficiente para análises adicionais: Oito amostras de sedimento continham DNA mitocondrial de Neandertal de um ou vários indivíduos, enquanto uma amostra continha DNA de Denisovano. A maioria dessas amostras se originou de camadas arqueológicas ou locais onde nenhum osso ou dentes de Neandertal foram previamente encontrados.

Uma nova ferramenta para a arqueologia

“Recuperando DNA hominídio de sedimentos, podemos detectar a presença de grupos de hominídios em locais e em áreas onde isso não pode ser alcançado com outros métodos”, diz Svante Pääbo, diretor do departamento de Genética Evolutiva do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva e Co-autor do estudo. “Isso mostra que as análises de DNA de sedimentos são um procedimento arqueológico muito útil, que pode se tornar rotina no futuro”.

Mesmo amostras de sedimento que foram armazenadas à temperatura ambiente por anos ainda produziram DNA. As análises destes e de amostras de sedimento recém-escavadas recuperadas de sítios arqueológicos onde nenhum resíduo humano é encontrado irá lançar luz sobre os ocupantes anteriores desses locais e nossa história genética conjunta.

Fonte: ScienceDaily.