A propagação vegetativa ou a reprodução vegetativa é o crescimento e desenvolvimento de uma planta por meios assexuados. Este desenvolvimento ocorre como resultado da fragmentação de uma parte da planta ou pelo crescimento das partes vegetativas especializadas.

A propagação vegetativa envolve a reprodução através de estruturas vegetativas (não-sexuais), enquanto que a propagação sexual é realizada através da produção de gametas e fertilização.

Em plantas não vasculares, as estruturas vegetativas reprodutivas incluem gemas e esporos. Nas plantas vasculares, as partes vegetativas da planta reprodutiva incluem raízes, hastes e folhas.

‘Kalanchoe daigremontiana’. Reprodução assexuada. As plântulas se desenvolvem ao longo das margens das folhas, caem no chão, criam raiz e crescem. Ed Reschke / Photolibrary / Getty Images.

TECIDO MERISTEMÁTICO E REGENERAÇÃO

A propagação vegetativa se dá através do desenvolvimento do meristema, que é comumente encontrado em hastes e folhas, bem como nas pontas de raízes e caules. O tecido do meristema contém células que se dividem ativamente por mitose, permitindo o crescimento da planta. Os sistemas de tecidos vegetais especializados e permanentes também se originam do tecido do meristema. Essa capacidade do meristema, de continuar a se dividir, é que permite a regeneração que é necessária para a propagação vegetativa ocorrer.

TIPOS DE PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

A propagação vegetativa pode ser realizada por propagação natural, bem como por meios artificiais.

As plantas resultantes da propagação vegetativa são produzidas assexuadamente a partir de uma única planta mãe – sendo clones genéticos da planta-mãe. Isso pode ter vantagens e desvantagens. Uma vantagem da propagação vegetativa é que as plantas com características favoráveis ​​a um ambiente particular reproduzem-se repetidamente. Produtores de culturas comerciais que empregam técnicas de propagação vegetativa artificial podem garantir que os traços favoráveis ​​e a qualidade do produto sejam mantidos. Uma grande desvantagem da propagação vegetativa é que esse processo não permite a variação genética, já que os indivíduos são clones da planta-mãe. As plantas são geneticamente idênticas e são suscetíveis aos mesmos vírus e doenças que podem destruir culturas inteiras.

Propagação Vegetativa Natural

Botão de rizoma de ‘Phyllostachys pubescens’ (bambu). Foto: Paul Starosta / Getty Images.

A propagação vegetativa natural envolve o desenvolvimento de uma nova planta a partir de partes de uma única planta adulta. As novas plantas crescem e se desenvolvem naturalmente sem intervenção humana. Uma habilidade importante que é fundamental para permitir a propagação vegetativa nas plantas é a capacidade de desenvolver raízes adventícias . Estas raízes surgem de estruturas de plantas diferentes da raiz, como caules ou folhas. Através da formação de raízes adventícias, novas plantas podem se desenvolver a partir de extensões dos caules, raízes ou folhas de uma planta-mãe. As hastes modificadas são muitas vezes a fonte de propagação vegetativa em muitas plantas. As estruturas de plantas vegetativas que surgem de hastes incluem rizomas, bulbos, tubérculos, cormos e brotos. As estruturas vegetativas que emanam de raízes incluem brotos e tubérculos.

A propagação vegetativa pode ocorrer naturalmente através do desenvolvimento de rizomas. Os rizomas são hastes modificadas que tipicamente crescem horizontalmente ao longo da superfície do solo ou no subsolo. Os rizomas são locais de armazenamento de substâncias como proteínas e amidos. À medida que os rizomas se estendem, raízes e brotos podem surgir ao longo de certos intervalos do rizoma e se transformar em novas plantas. Certas ervas, lírios, íris e orquídeas se propagam dessa maneira. O gengibre é um exemplo de plantas com rizomas comestíveis.

Estolhos

Morango Selvagem com estolhos sobre o solo. Foto: Dorling Kindersley / Getty Images.

Os estolhos são semelhantes aos rizomas, na medida em que exibem crescimento horizontal sobre ou logo abaixo da superfície do solo. Ao contrário dos rizomas, eles se originam de hastes existentes. À medida que os estolhos crescem, eles desenvolvem raízes e brotos localizados em nós. Os intervalos entre os nós (internodos) são mais amplamente espaçados nos estolhos do que nos rizomas. Novas plantas surgem em nós onde raízes e brotos se desenvolvem. Este tipo de propagação é visto em plantas como morangos e groselhas.

Bulbos

Bulbo. Foto: Scott Kleinman / Photodisc / Getty Images.

Os bulbos são partes redondas e inchadas de um caule que normalmente são encontrados no subsolo. Dentro desses órgãos de propagação vegetativa encontra-se o início de uma nova planta. Bulbos consistem de um botão, que está cercado por camadas de tecido similar à folhas. Estas folhas são fonte de armazenamento de vários nutrientes e fornecem nutrição para a nova planta. Exemplos de plantas que se desenvolvem a partir de bulbos incluem cebolas, alho, narcisos, lírios e tulipas.

Tubérculos

Plantas novas brotando do tubérculo da batata-doce. Este é um exemplo de propagação vegetativa. Ed Reschke / Photolibrary / Getty Images.

Os tubérculos são órgãos vegetativos que podem se desenvolver a partir de caules ou raízes. Os tubérculos caulinares surgem de rizomas ou estolhos que armazenam nutrientes. A superfície superior do tubérculo produz o sistema inicial da noval planta (caules e folhas), enquanto a superfície inferior produz o sistema radicular. Batatas e inhame são exemplos de tubérculos caulinares. Os tubérculos radiculares são originários de raízes que foram modificadas para armazenar nutrientes. Essas raízes se ampliam e podem dar origem a uma nova planta. Batatas doces e dálias são exemplos de tubérculos radiculares.

Cormos

Cormos da espécie ‘Crocus sativus’. Foto: Chris Burrows / Photolibrary / Getty Images.

Os Cormos são alargados, como hastes subterrâneas tipo bulbo. Essas estruturas vegetativas armazenam nutrientes em tecido carnudo e sólido e normalmente são cercadas externamente por folhas. Devido à sua aparência externa, os cormos são comumente confundidos com bulbos. A principal diferença é que os cormos consistem internamente em tecidos sólidos, enquanto os bulbos consistem em camadas de folhas. Os cormos produzem raízes adventícias e possuem botões que se tornam novos brotos de plantas. As plantas que se desenvolvem a partir de cormos incluem açafrão e taro.

Plântulas

‘Kalanchoe pinnata’ (vulgarmente conhecida como “mãe de milhares”) produzindo plântulas ao longo das margens de suas folhas. Foto: Stefan Walkowski / Wikimedia Commons / CC BY-SA 3.0.

As plântulas são estruturas vegetativas que se desenvolvem em algumas folhas da planta. Essas plantas pequenas e jovens surgem do meristema localizado ao longo das margens da folha. Após formadas, as plântulas desenvolvem raízes e caem das folhas. Assim, fixam-se no solo e originam novas plantas. Um exemplo de uma planta que se propaga dessa maneira são as plantas do gênero Kalanchoe. As plântulas também podem desenvolver-se a partir dos estolhos de certas plantas.

Propagação Vegetativa Artificial

Um técnico de campo enxerta vários cultivares híbridos em um tronco de abacate. Após os enxertos bem sucedidos, a árvore produzirá abacates de múltiplas variedades. Foto: Alvis Upitis / Passage / Getty Images.

A propagação vegetativa artificial é um tipo de reprodução vegetal que é realizada através de meios artificiais envolvendo intervenção humana. Os tipos mais comuns de técnicas reprodutivas vegetativas artificiais envolvem estaquia, enxertos e cultura de tecidos. Esses métodos são empregados por muitos agricultores e horticultores para produzir culturas mais saudáveis ​​com qualidades mais desejáveis.

  • Estaquia – Parte da planta com muitas gemas, tipicamente o caule, é cortada e plantada. As raízes adventícias se desenvolvem a partir das estacas e uma nova planta eventualmente se forma. As estacas são às vezes tratadas com hormônios antes de serem plantadas, para induzir o desenvolvimento de raízes.
  • Enxerto – Corta-se parte de uma planta desejada, fixando-a no caule de outra planta que permanece enraizada no chão. Eventualmente, os sistemas de tecido do caule cortado integram-se aos sistemas de tecido da planta enraizada.
  • Camadas – Este método envolve dobrar ramos de plantas ou caules para que eles toquem o chão. As porções de ramos ou caules em contato com o solo são então cobertas com solo. As raízes adventícias se desenvolvem nas partes cobertas pelo solo e dão origem à novas raízes conhecidas como camadas. Este tipo de propagação também ocorre naturalmente. Em outra técnica chamada camada de ar, os galhos são raspados e cobertos com plástico para reduzir a perda de umidade. As raízes adventícias desenvolvem-se onde os galhos foram raspados e os ramos são removidos da árvore e plantados. Os ramos se desenvolvem em novas plantas ao longo do tempo.
  • Cultura de tecidos – Esta técnica envolve a cultura de células de plantas que podem ser retiradas de diferentes partes de uma planta-mãe. O tecido é colocado em um recipiente esterilizado e nutrido em um meio especial até formar uma massa de células conhecida como calo. O calo é então cultivado em um meio carregado de hormônios e origina plântulas. As plântulas podem então ser plantadas, crescendo normalmente.

Fonte: Though.Co.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTudo sobre Pinocitose e Endocitose
Próximo artigoGlicoproteínas: definição e função
Guellity Marcel
Biólogo de vida selvagem, mestre em Ecologia e Conservação e apaixonado por ciência e tecnologia. Tem interesse em ecologia de populações, ecologia do movimento, ecologia de paisagem e efeitos de mudanças climáticas na biodiversidade, especialmente em áreas úmidas. Atualmente trabalha com mamíferos de médio e grande porte (cervo, veado-campeiro, veado-mateiro, queixada) e jacarés em parceria com pesquisadores da Embrapa Pantanal.