O RNA (ou ácido ribonucleico) é um ácido nucleico que é usado na produção de proteínas dentro das células. O DNA é como um plano genético dentro de cada célula. No entanto, as células não “entendem” a mensagem que o DNA transmite, então eles precisam do RNA para transcrever e traduzir a informação genética. Se o DNA é um “modelo” de proteína, então pense no RNA como o “arquiteto” que lê o plano e realiza a construção da proteína.

Existem diferentes tipos de RNA que têm funções e exercem um importante papel no funcionamento de uma síntese celular e proteica.

Tipos de RNA

RNA Mensageiro (RNAm)

O RNA Mensageiro é traduzido em um polipetídeo. (Getty / Dorling Kindersley).

O RNA Mensageiro (ou RNAm) é um tipo de RNA que tem o papel principal na transcrição, ou o primeiro passo na produção de uma proteína a partir de um modelo de DNA. O RNAm é composto de nucleotídeos encontrados no núcleo que se reúnem para fazer uma seqüência complementar ao DNA encontrado lá. A enzima que coloca essa cadeia de RNAm em conjunto é chamada RNA polimerase. Três bases de nitrogênio adjacentes na sequência de RNAm são chamados de códon e cada código para um aminoácido específico que depois será ligado a outros aminoácidos na ordem correta para produzir uma proteína.

Antes do RNAm passar para o próximo passo da expressão de genes, primeiro deve ser submetido a algum processamento. Há muitas regiões de DNA que não codificam informação genética. Essas regiões não codificadoras ainda são transcritas por RNAm. Isso significa que o RNAm deve primeiro cortar essas seqüências, chamadas introns, antes de poder serem codificadas em uma proteína. As partes do RNAm que codificam os aminoácidos são chamadas de exóns. Os introns são cortados por enzimas e apenas os éxons são deixados. Este único fio de informação genética é capaz de se deslocar para fora do núcleo, no citoplasma, para começar a segunda parte da expressão de genes chamada tradução. 

RNA Transportador (RNAt)

O RNA Transportador tem um aminoácido em uma extremidade e um anticódon na outra. (Getty/MOLEKUUL).

O RNA Transportador (ou RNAt) é um tipo de RNA que tem o importante trabalho de garantir que os aminoácidos corretos sejam colocados na cadeia de polipéptidos na ordem correta durante o processo de tradução. É uma estrutura altamente dobrada que contém um aminoácido em uma extremidade e tem o que é chamado de anticódon na outra extremidade. O RNAt anticódon é uma sequência complementar do códon do RNAm. O RNAt é, portanto, responsável por combinar com a parte correta do RNAm, fazendo com que os aminoácidos estejam na ordem certa para a síntese da proteína. Mais de um RNAt pode se ligar ao RNAm ao mesmo tempo e os aminoácidos podem então formar uma ligação peptídica entre eles antes de se separarem do RNAt para se tornarem uma cadeia polipeptídica que será usada para eventualmente formar uma proteína totalmente funcional.

RNA ribossômico (RNAr)

O RNA Ribossômico facilita a ligação de aminoácidos codificados pelo RNAm. (Getty/LAGUNA DESIGN)

O RNA Ribossômico (ou RNAr) um tipo de RNA produzido na organela que o compõe – o Ribossomo. O ribossomo é uma organela de células eucarióticas que ajuda na síntese de proteínas. Uma vez que o RNAr é o principal elemento constitutivo dos ribossomos, tem um papel muito importante na tradução. Ele basicamente mantém o RNAm de cadeia simples no lugar, de modo que o RNAt pode combinar seu anticódon com o códon do RNAm que codifica um aminoácido específico.

Existem três sites (chamados A, P e E) que mantêm e direcionam o RNAt para o ponto correto, para garantir que o polipeptídeo seja feito corretamente durante a tradução. Estes locais de ligação facilitam a ligação peptídica dos aminoácidos e, em seguida, liberam o RNAt para que possam recarregar e ser usados ​​novamente. 

Micro RNA (RNAmi)

O Micro RNA pode ser um mecanismo de controle da expressão gênica. (Getty/MOLEKUUL).

Também envolvido na expressão gênica, o micro RNA (ou RNAmi) é uma região não codificante do RNAm que acredita-se ser importante na promoção ou inibição da expressão gênica. Essas sequências muito pequenas (a maioria tem apenas cerca de 25 nucleotídeos de comprimento) parecem ser um antigo mecanismo de controle que foi desenvolvido muito cedo na evolução das células eucarióticas.

A maioria dos RNAmi evita a transcrição de certos genes, e se eles são perdidos, esses genes são expressos. As sequências de RNAmi são encontradas em plantas e animais, mas parecem ter vindo de linhagens ancestrais diferentes e são um exemplo de evolução convergente.

Fonte: Thought.co.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorTipos de Estruturas das Proteínas
Próximo artigoAlgas Vermelhas (Rhodophyta)
Guellity Marcel

Biólogo de vida selvagem, mestre em Ecologia e Conservação e apaixonado por ciência e tecnologia. Tem interesse em ecologia de populações, ecologia do movimento, ecologia de paisagem e efeitos de mudanças climáticas na biodiversidade, especialmente em áreas úmidas. Atualmente trabalha com mamíferos de médio e grande porte (cervo, veado-campeiro, veado-mateiro, queixada) e jacarés em parceria com pesquisadores da Embrapa Pantanal.