A vida na terra essencialmente depende do sol.

Os organismos produtores, aqueles que estão localizados na base da cadeia alimentar e que fornecem energia para todos os outros níveis tróficos, são em sua grande maioria seres que utilizam a energia solar para sobreviver. Podemos citar como exemplo os vegetais e vários grupos de algas e bactérias – os chamados organismos fotossintetizantes.

O termo “fotossíntese” significa “síntese que usa luz” literalmente.

Organismos fotossintéticos usam energia solar para sintetizar combinações orgânicas que não podem ser formadas sem a contribuição de energia. A energia armazenada nestas moléculas pode ser usada depois como fonte de energia a processos celulares na planta e pode servir como recurso de energia para todas as formas de vida.

A fotossíntese consiste em dois processos acoplados. Um deles é de caráter fotoquímico e compreende a absorção de luz e o transporte de elétrons e o outro é bioquímico, com a captação do gás carbônico e a formação de compostos que encadeiam os átomos de carbono e retêm a energia absorvida a partir da luz nas ligações químicas das moléculas formadas.

Esquema comparativo entre os sistemas fotossintéticos C3 e C4 elaborado pelos acadêmicos Adriana Yepes, Amanda Pereira de Souza, Mauro Marabesi, Patrícia Pinho Tonini do IB/USP.

A captação da luz é efetuada pelo Complexo de Captação de Luz (CCL), que consiste de uma proteína à qual as clorofilas se associam formando uma espécie de antena que maximiza a energia absorvida. À partir do CCL, uma série de reações ocorrem, como a desestabilização de elétrons da clorofila, a quebra de moléculas de água, resultando na formação de NADPH e ATP. Estes últimos serão utilizados no Ciclo de Calvin, que consiste em reações que irão adicionar o carbono do CO2 – a chamada carboxilação – nas cadeias de ácido-fosfoglicérico 3PGA e de frutose-6-fosfato (açúcar) em formação.

É justamente na carboxilação que entra a diferença entre as plantas C3 e C4.

Nas plantas C3, a adição de carbono tem início com um composto de 3 carbonos, o ácido-fosfoglicérico (3PGA). Desta forma, as plantas C3 armazenam muito ácido-fosfoglicérico. Plantas como soja, milho feijão e todas as árvores que tiveram a fotossíntese estudada até o momento, usam a via C3 para a fotossíntese. Por outro lado, as plantas C4 tem a capacidade de armazenar outros tipos de ácidos que são constituídos por 4 carbonos, apresentando modificações morfológicas que serão detalhadas adiante.

Nas apostilas, livros, vídeos e links logo abaixo você vai aprender tudo sobre as plantas C3, C4 e CAM.


Baixar apostila


Baixar apostila


Baixar prática


Baixar livro

Você poderá encontrar materiais complementares nos seguintes links:

Fotossíntese ESALQ/USP
Fixação de Carbono
Ciclo de Calvin

Espero que tenham gostado deste post. Comentários são muito importantes, não deixe de deixar o seu! ;)

Cursos que você talvez goste:

Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
Botânica Geral e Angiospermas

Angiospermas
Cultivo de Plantas
Botânica Geral
Pteridófitas

COMPARTILHAR
Artigo anteriorImmunoRush, o jogo da USP que ensina Imunologia
Próximo artigoBiologia molecular: 4 pdfs sobre conceitos e técnicas laboratoriais
Guellity Marcel

Biólogo de vida selvagem, mestre em Ecologia e Conservação e apaixonado por ciência e tecnologia. Tem interesse em ecologia de populações, ecologia do movimento, ecologia de paisagem e efeitos de mudanças climáticas na biodiversidade, especialmente em áreas úmidas. Atualmente trabalha com mamíferos de médio e grande porte (cervo, veado-campeiro, veado-mateiro, queixada) e jacarés em parceria com pesquisadores da Embrapa Pantanal.